Imagem capa - DENÚNCIA: CONHEÇA A
Linha do tempo

DENÚNCIA: CONHEÇA A "MÁFIA" DO MERCADO DE CASAMENTO

Texto: Gabriela Yamada, Jornalista Política e escritora no Blog: Talk About Noivas

 Antes de começar esse polêmico, mas importante assunto, quero deixar meus agradecimentos para o caro amigo e excelente profissional Daniel Perini, que me cedeu o direito da publicação!
Daniel além de você ser um fera na fotografia, é de uma índole admirável e tem um grande e bondoso coração.


Você sabe o que é Bônus por Volume de Vendas? Ou Bonificação de Vendas? Uma prática comum no mercado de casamentos, que ocorre com mais frequência no segmento de luxo e que poderia ser considerada correta se os noivos soubessem da sua existência. Sim, esta é uma grande armadilha.

"BV", como o termo é conhecido entre os que atuam na área, é o que faz os noivos ficarem limitados a um número restrito de profissionais, inflacionando e prejudicando o mercado, e encarecendo os custos finais para os noivos - que podem até pagar duas vezes pelos serviços, sem terem a menor consciência disso (veja um vídeo bem explicativo logo abaixo do texto).

Na prática, funciona da seguinte maneira: um fornecedor indica outro fornecedor e ganha uma porcentagem em cima de cada contrato fechado - geralmente, de 10% a 20%. Os noivos ficam sem o poder de negociar diretamente com os profissionais e obterem descontos.

Além disso, não têm a opção da escolha, já que os indicados são somente aqueles que fazem parte do esquema - e aqui não é a qualidade do serviço que conta, e sim quem paga por isso. Os noivos têm a falsa ilusão de que tiveram acesso a todas as opções de profissionais que poderiam ter.

A prática traz graves reflexos financeiros: se um fornecedor cobra um valor menor porque irá receber as comissões, aqueles que pagam irão embutir esta porcentagem nos preços repassados aos noivos. Este círculo de interesses dá prioridade aos objetivos dos fornecedores, e não à realização do sonho do casamento dos clientes.

Em época de Lava Jato, Sevandija e demais operações que têm como alvo o desmantelamento de esquemas de corrupção (onde quem paga por isso é a população) e moralizar o sistema político do país, a essa altura você já entendeu que o BV também se configura num negócio baseado no pagamento de propina para o fechamento de contratos.

É preciso deixar claro: há profissionais que são contra a prática e se recusam a fazer parte do esquema. A consequência disso é que ficam de escanteio, já que o BV praticamente dominou o mercado.

"Descobri que um fornecedor dizia a noivos que havia entrado em contato comigo, mas que eu não poderia fazer as fotos porque não havia data disponível. Mas era mentira, ninguém havia me procurado. Então percebi a existência do BV", disse a fotógrafa Carol Langanke, de Belém (PA), onde profissionais se uniram numa campanha aberta contra o esquema. O grupo é formado por fotógrafos, cinegrafistas, decoradoras, cerimonialista, músicos, estilista, maquiadora e profissionais de som e luz.

"O objetivo do movimento é conscientizar o mercado e, principalmente, o cliente. Nós sofremos represália depois que iniciamos a campanha. Mas queremos fazer valer o que acreditamos ser ético e honesto", afirmou. Alguns integrantes do grupo fizeram um vídeo sobre o assunto, que pode ser acessado aqui.

O BV também existe em outras cidades, como aqui em Ribeirão Preto. Profissionais de diferentes segmentos foram procurados, mas preferiram não se manifestar abertamente por temerem retaliações. "Já fui prejudicado quando expus publicamente a minha opinião. Fizeram questão até de falar mal do meu trabalho", disse um deles.

Fotógrafo de casamentos desde 2007, Daniel Perini também já se posicionou contrário ao BV de forma pública. "Desde então, só faço casamentos de luxo fora de Ribeirão. Infelizmente, o esquema monopolizou o mercado na cidade. A falta de ética e transparência virou lugar comum", afirmou.

Segundo ele, 90% dos casamentos que faz em Ribeirão são indicações de antigos clientes. "São poucos os cerimoniais que me indicam sem pedir nada em troca. Aqueles que não indicam, falam mal quando a noiva pergunta sobre o meu trabalho. Tenho relatos de noivas que disseram que determinados fornecedores fizeram críticas pesadas, sem saberem que elas eram minhas amigas", disse.

Agora você deve estar se perguntando: como saber se o fornecedor contratado faz parte do esquema? Dica valiosa: independentemente do tamanho do seu casamento, além dos profissionais indicados, procure VOCÊ MESMA outros profissionais e peça orçamento.

Para fortalecermos a conscientização e promovermos uma ampla divulgação deste esquema (e evitar com que os noivos caiam nas mãos de profissionais que têm comprometimento apenas com o seu bolso), compartilhe este texto e divulgue entre seus amigos e familiares. A moralização no país deve acontecer não apenas na política, mas também no mundo dos negócios - e, claro, no mercado de casamentos. Quem ganhará com isso, no final das contas, serão os próprios noivos.




Agradecimento: Daniel Perini, Casar e amar é só planejar e Vibe da foto

Fonte: www.danielperini.com.br, Casar e amar é só planejar e Vibe da foto